segunda-feira, 15 de maio de 2017

Grandes Colecionadores do Pequeno Príncipe.

Aos poucos vou iniciando pequenos relatos sobre grandes colecionadores do Pequeno Príncipe  no Mundo.


Jean-Marc Probst


É considerado o maior colecionador do Pequeno Príncipe do mundo. 
Probst iniciou sua coleção em 1980. Tudo começou quando ele leu o livro e gostou.
A princípio teve interesse nas versões em alemão, francês e italiano. Certa vez, numa viagem ao Japão, ele se interessou pela versão japonesa e não parou mais de adquirir livros. Jean-Marc teve ajuda de amigos e familiares para arrecadar tantas versões diferenciadas. Muitas delas são raríssimas, como os exemplares originais de 1943, com assinatura do escritor.
Atualmente, possui mais de 5.400 itens relacionados ao Pequeno Príncipe.


Tecnicamente, a coleção não pertence mais a Jean-Marc, pois ele doou seu acervo para a fundação: "Fondation Jean-Marc Probst Pour Le Petit Prince", cujo principal objetivo é assegurar que as obras não se separarem e que possibilite o acesso do público, através da internet, para a maior coleção sobre O Pequeno Príncipe e Antoine Saint-Exupéry

sexta-feira, 28 de abril de 2017

O PEQUENO PRÍNCIPE ARTESANAL


Pense numa coisa legal, pensou? Pois é: na minha coleção do Pequeno Príncipe tenho várias edições de vários países. Algumas edições me encantam por motivos diversos. Quando se tenta preservar uma língua, ou dialeto e preserva a edição tradicional já é o suficiente. Outro encantamento é com as várias releituras, várias ilustrações baseadas nas originais.

Após cair em domínio público, uma enchente de traduções invade as nossas estantes. Algumas interessante, outras nem tanto.

O Nosso Principezinho agora em edição artesanal, feita pela Mariposa Cartonera e Kartocéros Éditions, com capas únicas de papelão reutilizado e ilustrações no miolo de Alicia Cuerva, numa releitura com toque brasileiro do Pequeno Príncipe, de alma cartonera. Apaixonei. Uma das melhores edições do nosso Pequeno Príncipe. Tudo perfeito.

O Mariposa Cartonera é um coletivo artístico-editorial, iniciado em agosto de 2013. A proposta é editar autores contemporâneos a partir dos conceitos norteadores do movimento cartonero: publicar livros de qualidade literária a baixo custo para fazer a literatura circular envolvendo setores fragilizados da sociedade no processo de produção, baseado em princípios da economia solidária, da sustentabilidade e comércio justo.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

LÍNGUA GREGA



VÁRIAS LÍNGUAS
















LATIM



Língua Holandesa



Língua Turca


Língua Russa


Língua Sérvia




Língua Tcheca





Língua Chinesa




Língua Japonesa




Língua Inglesa