quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

O Pequeno Príncipe FTD

 



 Uma versão simplificada, com ilustrações sugestivas e diversos elementos que facilitam a leitura. Essa edição traz ainda passatempos e atividades divertidas que consolidam a compreensão do texto.

É uma tradução da adaptação de Carlo Scaglini com ilustrações de Marco lombardini, publicado originalmente na Itália. A tradução para o português ficou a cargo de Maurício Santana Dias.

domingo, 24 de janeiro de 2021

Línguas artificiais

O livro “O Pequeno Príncipe”, tem várias funções além de ser apenas um livro infantil. Ser traduzido para todos os idiomas oficiais é apenas uma função literária alcançada. Já a tradução para os dialetos cumpre outras funções, que é perpetuar, alavancar, estimular e mesmo não deixar morrer os dialetos de cada país ou região.

Língua artificial é todo idioma construído e definido por um pequeno grupo de pessoas, em vez de ter evoluído como parte da cultura de algum povo. Geralmente, as línguas artificiais têm algum objetivo. Há muitas construídas para a comunicação humana, para servirem como códigos secretos, outras como experimentos lógicos e mesmo algumas construídas apenas por prazer, constituindo assim uma língua artística.

 Fazem parte da minha coleção do Pequeno Príncipe, algumas edições em línguas artificiais:

 

ESPERANTO

 

O Esperanto é uma língua internacional planejada que foi lançada em 1887 com objetivo de facilitar a comunicação entre os povos de diferentes países e culturas.

 O autor do Esperanto foi o médico polonês Lázaro Luís Zamenhof (1859-1917) que o lançou com o pseudônimo "Dr. Esperanto" que significa nesse idioma "aquele que tem esperança" em um livro denominado "Unua Libro de la Lingvo Internacia". Portanto, o nome original do Esperanto é "Lingvo Internacia", que melhor se traduz por "língua para ser internacional".

 

VOLAPÜK



O Volapük é uma língua artificial criada em 1879-1880 por Johann Martin Schleyer, um padre católico alemão, que durante uma insônia sentiu que Deus havia o mandado criar uma língua auxiliar internacional.

 

PATRIŻJU

 


Criada por Patrick Baert, um linguista belga, com o objetivo de criar sua própria linguagem. Uma linguagem que guardasse apenas os aspectos que ele mais gosta em outras línguas.

Assim nasceu Patriżju (pronuncia-se: pa-trits-you) - uma língua cujo vocabulário se baseia principalmente no romanche e no italiano (mas com influências do catalão, da Sardenha e do português); uma grafia baseada no maltês e monégasco e uma gramática inspirada no português e no italiano.

KLINGON


O klingon (tlhIngan Hol) é uma língua artística criada pelo linguista Marc Okrand para os filmes baseados na série americana de televisão Star Trek (Jornada nas Estrelas, no Brasil). Alguns fãs da série estudaram e aprenderam a falar fluentemente a língua, e existem pelo menos três publicações em Klingon.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Língua Volapuque

 


O Volapük é uma língua artificial criada em 1879-1880 por Johann Martin Schleyer, um padre católico alemão, que durante uma insônia sentiu que Deus havia o mandado criar uma língua auxiliar internacional.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

O Pequeno Príncipe em Tchuvache

 


Tchuvache é a língua nativa do povo Tchuvache e língua oficial da Tchuváchia, sendo falada por cerca de 1,5 milhões de pessoas; 86% dos Tchuvaches étnicos e 8% de outras etnias que vivem na Tchuváchia. Dados a partir do Censo da Rússia de 2002. Mesmo assim e ainda que o Tchuvache seja ensinado nas escolas e usado algumas vezes na “mídia”, essa língua é considerada como em risco de extinção, pois o russo domina na maioria dos aspectos da vida dos Tchuvaches e poucas crianças que aprendem essa língua devem vir a ser usuários ativos da mesma.

O tchuvache (ou chuvache) utiliza o alfabeto cirílico, usando as letras do idioma russo adicionando mais quatro letras.

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

O Pequeno Príncipe em Patriżju

 


A cada dia surge uma nova tradução ou adaptação do Pequeno Príncipe.

Acabo de receber uma nova edição, desta vez, em uma linguagem nova, criada por Patrick Baert, um linguista belga.

Patrick nos conta um pouco desta criação: 

“Durante anos, desenvolvi uma paixão avassaladora por línguas estrangeiras, especialmente catalão, português, romanche e maltês. Meu sonho sempre foi criar minha própria linguagem, uma linguagem que guardasse apenas os aspectos que mais gosto em outras línguas.

Assim nasceu Patriżju (pronuncia-se: pa-trits-you) - uma língua cujo vocabulário se baseia principalmente no romanche e no italiano (mas com influências do catalão, da Sardenha e do português); uma grafia baseada no maltês e monégasco e uma gramática inspirada no português e no italiano.

Desde que Patrizju nasceu, traduzi uma dezena de textos e livros. Por exemplo, traduzi vários títulos da série de quadrinhos "As Aventuras de Tintin" (A Estrela Cadente, O Caranguejo com as Garras de Ouro e A Ilha Negra), contos de fadas (como Branca de Neve), mas também textos mais legais (como como Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia ou Declaração Universal dos Direitos do Homem).

 Mas meu projeto mais ambicioso foi a tradução de O Pequeno Príncipe: IP-PRINĠEDDU em Patrizju, que foi publicado em novembro de 2020. É uma tradução muito original, pois o texto não é ilustrado pelas aquarelas de Saint-Exupéry, mas por ilustrações totalmente originais, desenhadas por uma ilustradora espanhola muito talentosa: Carmen Nogales.”



sábado, 14 de novembro de 2020

Pequeno “Ensaio” sobre as traduções do Pequeno Príncipe para o Português.

 


Não tenho objetivo de analisar todas as quarenta e três traduções que fazem parte da minha coleção e publicadas após 2015, nem toda obra. Somente algumas frases “famosas” com o objetivo de mostrar as variações de percepção entre os tradutores. Aleatoriamente escolhi seis tradutores, para fazer as comparações.
Leiam e comentem.


Exupery: "Toutes les grandes personnes ont d'abord été des enfants. Mais peu d'entre elles s'en souviennent." 


Dom Marcos Barbosa: Todas as pessoas grandes foram um dia crianças. (Mas poucas se lembram disso.)

Ferreira Gular: Todas as pessoas adultas foram crianças um dia (mas poucas se lembram disso.)

Mônica Cristina Corrêa: Gente grande primeiro foi criança. (Mas poucas se lembram disso)

Frei Beto: Todos os adultos um dia foram crianças. (Porém, raros se lembram disso)

Mário Quintana: Pois toda gente grande foi já uma vez criança – embora poucos se lembrem de tal coisa.

Denise Bottmann: Todos os adultos foram inicialmente crianças. (Mas poucos se lembram disso.)



Exupery: - S’il vous plaît...dessine-moi um mouton!

Dom Marcos Barbosa: - Por favor... desenha-me um carneiro!

Ferreira Gullar: - Por favor...desenhe para mim um carneiro!

Mônica Cristina Corrêa: - Por favor, me desenha um carneirinho!

Frei Beto – Por favor... desenhe para mim um carneirinho!

Mário Quintana: - Faça o favor, desenhe-me um cordeirinho!

Denise Bottmann: - Por favor... desenhe um carneiro para mim!



Exupery: "On ne voit bien qu'avec le coeur. L'essentiel est invisible pour les yeux."

Dom Marcos Barbosa: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos

Ferreira Gullar: a gente só vê bem quando vê com o coração. O essencial é invisível aos olhos

Mônica Cristina Corrêa: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos

Frei Beto: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos

Mário Quintana: somente com o coração é que se pode ver direito, o que é essencial é invisível para os olhos.

Denise Bottmann: Não se vê bem a não ser com o coração. O essencial é invisível aos olhos.

Exupery: “Mais si tu m'apprivoises, nous aurons besoin l'un de l'autre. Tu seras pour moi unique au monde. Je serai pour toi unique au monde.”

Dom Marcos Barbosa: Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo.

Ferreira Gular: Mas, se você me cativar, passamos ter necessidade um do outro. Você será para mim único no mundo e eu serei única no mundo para você...

Mônica Cristina Corrêa: Mas se você me cativar, precisaremos um do outro. Você será para mim único no mundo. Eu serei para você única no mundo...

Frei Beto: Porém, se me cativar, sentiremos necessidade um do outro. Você será único no mundo para mim e eu serei única no mundo para você...

Mário Quintana: Mas, se tu me domesticares, então sentiremos necessidade um do outro. Eu serei única em todo o universo.

Denise Bottmann: Mas, se você me domesticar teremos necessidade um do outro. Você será para mim único no mundo. Eu serei para você única no mundo...

Exupery: “Tu deviens responsable pour toujours de ce que tu as apprivoisé.”

Dom Marcos Barbosa: "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."

Ferreira Gular: "Você é eternamente responsável por aquilo que cativou."

Mônica Cristina Corrêa: “Você se torna responsável para sempre pelo que cativou. ”

Frei Beto: “Você é eternamente responsável por aquele que cativa. ”

Mário Quintana: “És Responsável, para sempre, pelo que domesticaste. ”

Denise Bottmann: “Você fica responsável para sempre pelos laços que cria. ”

E aí? O que você achou das traduções? Me escreva depressa qual você achou melhor. Não me deixe tão só.

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Tradutores do Pequeno Príncipe


Após cair em domínio público em 2015 o Pequeno Príncipe vem ganhando várias traduções e adaptações.

A “lei do Direito Autoral” diz que qualquer obra intelectual passa a ser de domino público depois de setenta anos da morte do autor.

Então, qualquer pessoa pode, independente de autorização ou pagamento de qualquer valor, copiá-la, distribuí-la, explorá-la economicamente, modifica-la. Mas deverá informar a autoria.

Com relação a obra de Exupery, seus descendentes transformaram os personagens em marca registrada. O livro pode ser publicado integralmente, como em sua versão original ilustrada. Os desenhos do livro, contudo, não podem ser utilizados, por exemplo, em camisetas, agendas ou qualquer outro tipo de objeto sem que haja uma autorização prévia.

Eu ainda fico com a tradução poética de Dom Marcos Barbosa. Bate mais com a minha tradução, quando eu li o original em francês pela primeira vez. Nunca sei se comparo as traduções com o original em francês ou se com a tradução de Dom Marcos. Em se tratando do Pequeno Príncipe, “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena...” como disse Fernando Pessoa.

 

 

Relação dos tradutores para o Português brasileiro:

 

1-        Ana Luiza Reis 

2-        André Telles  e Rodrigo Lace

3-        Andréa Müiler e Janiffer Desselman

4-        Ângela das Neves

5-        Ari Roiman

6-         Bruno Anselmi Matagrano

7-         Carlos Nougue

8-         Celso Possas Junior

9-         Cicero oliveira

10-                   Dauro Gomes

11-                   Denise Bottmann

12-                   Dom Marcos Barbosa

13-                   Evan do Carmo

14-                   Ferreira Gullar

15-                   Flávia Cavalca de Castro

16-                   Frei Beto

17-                   Gabriel Perissé

18-                   Geraldo Carneiro

19-                   Guilherme Miranda

20-                   Halan Silva

21-                   Henrique Monteiro

22-                   Herculano Vilas-Boas

23-                   Isolina Bresolin Vianna

24-                   Ivone C. Benedetti

25-                   Júlia da Rosa Simões

26-                   Keite Rowland

27-                   Laura Sandroni

28-                   Leila Villas

29-                   Leonardo Frois

30-                   Luciana Sandroni

31-                   Luciani M. Furtado

32-                   Luiz Miguel Duarte

33-                   Maria do Carmo Pinheiro

34-                   Mário Quintana

35-                   Monica Cristina Correia

36-                   Raimundo Gadelha

37-                   Rafael Arrais

38-                   Raphael Luís de Araújo

39-                   Rodrigo Tadeu Gonçalves

40-                   Ruth Marschalek

41-                   Ruy Pereira

42-                   Sandra Witkowski

43-                   Thiago Prado

 

Relação dos adaptadores para o Cordel:

1-  Raimundo Clementino

2-   Stélio Torquato Lima

3-   Olegário Alfredo

4-   Josué Limeira

5-   Sírlia Sousa de Lima

6-   Paulo Rocho Barja

 

 

 

Adaptações:

1-  Christiane Couve de Murville (O Pequeno Príncipe visita São Paulo)

2-   Rodrigo França (O Pequeno Príncipe Preto)

3-   Ruth Marschalek (O Pequeno Príncipe)

4-   Pe. Elias Souza (Jesus e o Pequeno Príncipe)

5-   Carlos Gomes (A Pequena Princesa e Planeta pequeno Príncipe)

6-  James Misse (O Pequeno Príncipe)

7-  Dom João Baptista Barbosa, OSB e Sandra Witkowski (O Pequeno Príncipe no o mosteiro)


quarta-feira, 13 de maio de 2020

Um mergulho feminino no Pequeno Príncipe



A Pequena Princesa é um mergulho feminino no universo do Pequeno Príncipe feito por Carlos Gomes. 

Sou aficionado pelo Pequeno Príncipe, (todo mundo que me conhece sabe disso). Coleciono edições do livro em idiomas e dialetos nos quais ele já foi traduzido. Todo e qualquer escrito sobre esta obra me interessa, citações e artigos literários. 

Fui contemplado pelo autor com, A Pequena Princesa um livro de apresentação bonita, com ricas ilustrações de Lhaiza Morena Castro. 

O texto de Carlos Gomes flui suavemente a partir da dedicatória. Assim como no Pequeno Príncipe a leitura tem que ser pausada, digerida capítulo por capítulo, para que entendamos a proposta de mergulho do autor. Ele mergulha fundo, nos trazendo à tona toda beleza do Pequeno Príncipe na sua visão feminina de cada citação, cada fragmento, da obra de Saint-Exupery. 

Boa Leitura.